domingo, 21 de janeiro de 2018

Livros Caros e Decisão Ética

Duas caraterísticas importante da década de 1980 era o desemprego e a inflação alta e crescente. Os grandes vilões desta inflação alta e crescente era o governo e a gasolina. Quando o preço da gasolina subia, o preço de tudo também subia. O governo também ajudava a inflação a continuar alta e crescente era quando ele divulgava que o índice da inflação subiu. Este anúncio fazia tudo subir. Mas, não era somente estes dois casos que fazia a inflação subir. Outros produtos também participaram para alimentar a inflação. Acontecia uma troca de produtos que puxavam a inflação para cima. Houve épocas que era vestuário, em outras remédio. Calçados também participava esta puxada da inflação. Já os produtos para a alimentação também era um vilão junto com a gasolina e o governo. 
No começo de ano era sagrado a inflação ser influenciada por material escolar. Era uma lista enorme de materiais que os pais deveriam comprar. E o problema que não era usado nem a metade. E a reclamação dos pais era muito presente. Nesta época, quando o aluno começa a estudar na quinta série, havia uma mudança drástica. São várias as matérias que iria ser estudadas com vários professores. O que deveria ser uma aventura para o conhecimento. Se tornou um pesadelo para os país, pois quase todas as disciplinas utilizavam livros. E pensar que haveriam vários anos de estudo pela frente, não era fácil. E os livros era muito caros. 
Talvez de vez de dizermos que rufem os tambores, poderíamos dizer que rufem os livros. Era mesmo de arrepiar. 
Mas, aconteceu um fenômeno muito interessante. Como o livro era usado por quatro anos. Esta era a validade do livro. Então começou aparecer um comércio de livros. Os que passavam de ano, vendia seus livros para as pessoas que iriam estudar e utilizar estes livros. É lógico que o preço era camarada. E com esta prática ficava mais fácil comprar um livro novo. 
Com o livro comprado de um outro aluno. O estudante passar por uma decisão muito importante. Como este livro foi estudado e as questões respondidas, o aluno poderia apagar todas as resposta ou deveria deixar as respostas para utilizar na medida que as aulas iria acontecendo. Uma decisão ética. 
Muitos professores incentivavam os participantes a apagarem as respostas. Muitos pais, principalmente as mães, tomavam para si esta decisão e apagavam todas as respostas do livro didático. 
Então podemos dividir os alunos em dois grandes grupos, os que apagavam as resposta dos livros e os que não apagavam as resposta dos livros. Durante o ano letivo os que não apagavam começaram com notas mais altas no começo do ano, mais precisamente nas primeiras atividades avaliativas e suas notas caíam muito. Já os que apagavam as resposta começavam com notas mais baixa, pois ainda estavam se adaptando a realidade atual, que era muito diferente dos anos anteriores. Mas, depois as notas começavam a subir. Este era o cenário básico com relação aos livros. 
Depois de alguns anos com esta prática, já havia livros que eram vendidos já com as resposta apagadas. E você já deve estar imaginando o resultado, pois estes livros eram mais difíceis de serem vendidos.
A ética é um assunto muito importante para o desenvolvimento do ser humano. Sem ética tudo fica mais difícil e complicado. É um tema que deve ser estudo sempre e com muito carinho. Um pouco de emoção faz bem!
As questões ética devem ser pensadas para o crescimento pessoal e da sociedade. Esta consideração de ações e atitudes devem acontecer sempre, que não pode ser confundida com normas de conduta. Que tem com objetivo fazer o trabalho render melhor para todos, mas esta não deve ser confundida com ética. A ética é um desafio constante na vida.  
       

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Você é Excluído Primeiro e Depois Participa

Com a complexidade da vida, em muitos casos o tempo é curto. Uma atividade aqui outra ali e o tempo passa muito rápido. Então hoje vou contar mais uma participação de um processo seletivo em uma empresa. Como este foi um processo diferente dos outros é legal publicá-lo. E como sempre, o mentir com boas palavras sempre está em alta para o processo de rh. E eles se orgulham disso. É comparado a um ladrão que fez seu assalto e considera-o como bem sucedido. O desrespeito ao candidato é o que conta, desde que seja camuflado.
A primeira parte deste processo foi no computador. E depois os candidatos foram convidados a irem até a agência para participar de outras etapas.
E lá houve uma apresentação dos candidatos, atividade que em todos os processo seletivos é feito. Então os selecionadores fizeram um teatrinho, pois falaram que iriam sair da sala para escolher os candidatos que continuariam ou não. Eram mais de trinta candidatos, e depois de dois ou três minutos eles debateram exaustivamente sobre todos os candidatos e vieram com o veredicto. Ninguém percebeu que durante a apresentação ela já marcava o que ela queria que continuassem. Sua ausência não foi para debater sobre os candidatos. Sua ausência foi para simplesmente separar os currículos e entregar a quem de direito. Talvez alguns foram para o "arquivo morto", ou seja, o lixo.
Depois ela voltou com o que ela chamou de gestor e que era o cliente que iria participar da continuação do processo seletivo. Então foi feito uma dinâmica reunindo os candidatos em grupos. Isto não é eficiente, pois se uma pessoa pode interferir no processo do outro. Principalmente quando a vaga é para uma atividade individual.
O próximo processo foi de novo no computador. Sendo que esta etapa foi interessante porque somente alguns conseguiram realizar o cadastro. Outros não conseguiram. Estranho, não acha?
A outra parte do processo foi uma simulação de vendas. Só que a aberração de seleção foi aqui, pois eu recebi um e-mail dizendo que não iria continuar no processo seletivo. E depois fui fazer a simulação. Ou seja, a simulação foi realmente uma simulação, não valeria nada. O julgamento e veredito já tinha sido decretado. O julgamento justo depois forca estava sendo usado pelo pessoal do RH. Primeiro eles falam que você não serve para a vaga e depois querem que você participe do processo. Parece desorganização, mas esta empresa ao visitá-la não deu esta impressão. Eles são organizados.
Se o pessoal do RH fosse criativo para o bem a situação de muitas pessoas seriam diferentes. Quando o respeito pelas pessoas, elas são tratadas como seres humanos o mundo se torna diferente, se torna muito melhor. Muitas pessoas procuram direcionar suas ações neste sentido. Mas, não o pessoal de RH.
Imagine se a moda pega, você vai prestar um concurso público ou vestibular e recebem a notícia que não irá passar no concurso, mas fazem questão que você faça a prova.
Eu nunca pensei que o pessoal do RH teria uma atitude tão antiética como esta. Uma atitude baixa. Digna de quem não respeita as pessoas. Mesmo sendo uma história um pouco antiga acredito que é interessante publicá-la. É mais uma das coisas que acontece para quem está procurando uma nova recolocação profissional. Mas, o problema é encontrar um profissional do outros lado. Este elo não está que precisa de melhorias urgente.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Doar Sangue é Prova de Amor

A vida é o bem mais importante que o ser humano possui. A vida é a maior preciosidade que o ser humano tem. Ela é insubstituível. Mesmo ela sendo de grande valor é impossível quantificá-la. Para isto, podemos usar a linguagem matemática, a riqueza da vida tende ao infinito. A complexidade da vida resulta que este valor vai crescendo. Então significa que ainda temos muito a descobrir sobre a riqueza da vida. Que a cada descoberta seja científica ou não este valor vai crescendo exponencialmente. 
Os outros animais luta pela sobrevivência. Já o ser humano, além de lutar pela sobrevivência. E além de ter consciência plena de sua existência e dos outros. Luta contra a morte. Mesmo sabendo que uma das únicas certezas da vida, luta contra. A vida é fazer da sobrevivência consciente a luta para sobrepujar a morte. Este fato é muito bem aceito para os religiosos, pois defende que é possível vencê-la. Já a ciência também tem a sua participação, pois a luta contra as doenças estão sendo pesquisadas a todo vapor. E convenhamos, muito já foi feito. Não é só a luta contra a morte é que está em jogo, mas a luta pela vida e pela qualidade de vida. Muitas vezes esta busca pela qualidade de vida leva a longevidade da vida. Que é um modo simples de lutar contra a morte. Podemos considerar que o ser humano simplesmente aperfeiçoou o instinto de sobrevivência dos outros animais racionalizando. E até desenvolver a fé. Então a valorização da vida não é só uma sobrevivência aperfeiçoada, é também uma questão de fé. Como está envolvido a razão e a emoção esta valorização da vida também é uma questão filosófica. Ou seja, as mais variadas formas de conhecimento e suas subdivisões consideram esta importância da vida e dão a sua contribuição. 
O simples fato de doar sangue já está valorizando a vida. É lógico que poderíamos dar vários exemplos. Mas, a doação de sangue é algo tão simples, mas representa anos de estudo científicos. Também representa um grande respeito a vida. Porque a pessoa que vai doar seu sangue tem que estar bem. E o simples doar já é um grande significado ao respeitar a vida. É algo simples e complexo. Na Bíblia, uma das definições da vida é simplificada no sangue. Em Gênesis capítulo nove, versículo 4 está escrito: "A carne, porém, com sua vida, isto é, com seu sangue, não comereis." Existe um ensinamento muito interessante neste versículo, pois temos que respeitar a vida e não podemos destruí-la. Este ensinamento é ensinado em outros lugares como em Levítico capítulo 17 verso 11: "Porque a vida da carne está no sangue; pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pelas vossas almas; porquanto é o sangue que fará expiação pela alma." Além do sangue representar a vida física, também representa a vida além da vida física. Uma vida transcendente. Uma vida espiritual. Também em Deuteronômio no capítulo 12, no versículo 23 explica a todos: "Somente esforça-te para que não comas o sangue; pois o sangue é vida; pelo que não comerás a vida com a carte." Vemos que o respeito com a vida é muito bem considerado. E também aprendemos que o sangue e a vida se representam. Também podemos perceber que a vida está associado ao físico e ao simbolismo da expiação. Mas, Jesus Cristo acrescenta algo muito importante, pois até então era uma coisa mais racional. Em João no capítulo 15 e verso 13 nos ensina: "Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelo seus amigos." Acrescentar o amor é um prova de sua genialidade. Muito irão dizer que esta expressão pode significar doar o seu tempo. E também esta interpretação está certo, pois doar o tempo também é respeitar a vida. Outros irão afirmar que significa se esforçar para ajudar um amigo. Também está correto este pensamento, pois como somos gratos por pessoas terem esta atitude. E quão valorosa a vida se torna. Mas, é mais correto afirmar que vida é sangue. E que não existe amor maior do que dar a vida ou o sangue por um amigo. Literalmente é respeitar e valorizar a vida. E como muitos dizerem que em caso de uma situação difícil somos impotentes, não podemos fazer nada. Está aqui uma exceção, doar sangue é fazer a diferença. É não se sentir impotente. Dar sangue é uma prova que o amor ao próximo é totalmente viável, que existe, é um ato saudável e traz felicidade. É uma atitude ética. É fisicamente um simbolismo de amor ao próximo transcendente. Então doar sangue é doar vida e doar vida é amor. É uma atitude espiritualmente e temporamente legítima!

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Acreditando em suas Mentiras

Descobri mais um sinal que você pode considerar ao participar de um processo seletivo de uma empresa. Quando o selecionador falar:
- Você já está 80% aprovado.
Pode ter certeza que você foi reprovado.
E pode acreditar. Não irão entrar em contato com você para te dar um posicionamento. Simplesmente fazem de conta que você não existe. Que você não é um ser humano.
É mais um exemplo de que o RH gosta de mentir com boas palavras. É o lema deles. Eu pensei durante um tempo que era uma coisa isolada ou pelo menos que não era uma unanimidade. Mas, é um pensamento importante ou prioritário. Sem este pensamento eles não conseguem trabalhar. Ou seja, o carro forte do pessoal do RH é o mentir com boas palavras. Já passei por processos seletivos com jovens, com pessoas com mais idade. Com homem, com mulher. Também já observei a atuação individual, duplas, trio e com mais pessoas. Com pessoas que acabou de se formar e com pessoas com vários anos de atuação. E em todos os casos o mentir com boas palavras é o que mais acontece. Um postura no mínimo antiética.
E o interessante é que muitos são orgulhos em dizer que tem mais de, por exemplo, 15 anos de atuação no mercado. Pensando sobre isto, são 15 anos usando mentiras com boas palavras. Depois de tanto tempo, acredito que estas pessoas já estão acreditando nestas mentiras. Fico pensando que se esta opção em mentir com boas palavras é realmente necessária.
Neste processo foi interessante porque participou uma pessoa que além de ter muita experiência. Estava lá para aferir o processo seletivo da empresa. Ela chegou a dizer que tem vontade de fazer perguntas e que estava se segurando. Com esta fala está claro que ela se considerava muito boa.
Neste processo ficou claro que o julgar pela aparência é um dos focos deles. E que as pergunta era feitas para excluir a pessoa e não para descobrir se a pessoa é realmente capacitada ou não. Tudo é planejado para que a pessoa não seja contratada.
Uma candidata já veio para o processo entrevistada pelo gerente da loja. Eu entreguei o currículo em várias lojas do ramo e nenhum deles me entrevistou para a vaga. Simplesmente pegaram o meu currículo e disseram que entrariam em contato. Já ela foi entrevista e já foi para o processo incluída. Só faltava o RH também fazer o mesmo. Por quê será?
Um outro candidato apelou dizendo que recentemente nasceu seu filho. E ele aproveitou isto muito bem. Deu a impressão que as entrevistadora estava mais interessada se eu tinha filho ou não. Uma boa parte do processo o rapaz ficou falando do parto da mãe da criança, que era difícil, que ele tentou ajudar, etc. E as duas entrevistadora ficaram encantada com a ladainha do rapaz. Daí eu descobri que ele nem casado era com ela.
Depois fizemos a famosa dinâmica de vender algo que não existe. Se não existe, também não existe venda. E se não existe venda não tem como verificar rapidez em venda ou criatividade. E o pior é que os objetos inventados como uma coisa quebrada ou estragada, são muito mal formulados. Como é algo subjetivo. A avaliação também é subjetiva. Então na verdade, fica com o emprego que eles querem. Também ficou claro que depois desse processo, eles também usam a quinta coluna. Ou seja, alguém que está participando do processo seletivo vai conversar com você para tirar alguma informação para te eliminar da vaga de emprego. É lógico que são informações deturpadas. Provavelmente dirão que você não está demonstrando interesse na vaga. Como não?
Você vai até a loja. Entrega o currículo, participa de todo o processo seletivo. Se esforça muito e daí dizem que você não está interessado. Talvez ele querem que você doem um rim. Ou coisa parecida. Este fato são pessoas que acreditam em suas próprias mentiras. Desde que sejam ditas com boas palavras!

sábado, 4 de novembro de 2017

Desafio ao Galo

Na década de 1980, era muito comum muitos homens assistir futebol no domingo de manhã. Mas, não era qualquer jogo, e nem qualquer desafio. Era uma competição chamada desafio ao galo. Eram vários times amadores de futebol. E o legal é que além do jogo em si. Também tinham direito ao jogo ser televisionado e com direito a narração.
Os jogos eram feitos no campo da CMTC (Companhia Municipal de Transporte Coletivo). Uma excelente empresa pertencente ao município de São Paulo e de seu povo. Uma grande pena que esta empresa foi privatizada. A primeira vez que o PT administrou São Paulo fez muitas comprar, as reportagens da época afirmam que a prefeitura comprou porcas para mais de 10 anos para esta empresa. Também na época as pessoas que não eram filiadas a este partido também eram mandadas embora da prefeitura e colocavam várias pessoas em seus lugares, dizem que chegavam a 10 pessoas. Um verdadeiro cabide de emprego. E o próximo prefeito resolveu privatizar esta empresa. De vez de investigar e punir os culpados, preferiu fechar a empresa.
No desafio ao Galo, os jogos eram muito disputados. E o chic é que até transmissão de tv eram feitas. Uma vez, um jogador foi muito elogiado pelos narradores de futebol. Falaram que ele era muito habilidoso e seu nível era de profissional. Até um deles perguntou se algum tipo poderia contratá-lo, mas segundo informações ele já estava com uma idade que impedia de que um time o contratasse. Eu acho que não, mas era esta informação que foi passada para as pessoas que estavam assistindo o jogo.
Os jogos eram transmitidos pela TV Cultura. E não poderia ser diferente, pois uma empresa estatal é que tem a oportunidade e liberdade para ser muito mais criativo do que uma que não tem as mesmas oportunidades. É muito importante existirem emissoras de TV do governo, hoje em dia a TV cultura transmite um program de uma excelência. O programa prelúdio, um programa de alta qualidade que duvido muito que outra emissora de TV iria fazer este programa no mesmo horário. É lógico que a TV Cultura tem outros programas de qualidade impar, mas particularmente este acredito que é um grande desafio para os dias de hoje. Como também na década de 1980 o programa desafio ao galo também era um desafio.
Quando foi anunciado que o programa iria ser cancelado, muitos de seus admiradores ficaram surpreso e triste. E na época pediam para que as pessoas fosse assistir aos jogos e também pediram para que outras pessoas assistissem pela tv, mas infelizmente o program deixou de ser transmitido. Nesta época de transmissão a inflação era muito alta, dificultando ainda mais o planejamento do programa.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Pergunta Mal Educada e Sorriso Falso

Procurar emprego está sendo uma experiência reveladora. Também é um exemplo de como as instituições não consideram o ser humano especial: único e importante. Mas, tudo isto procurando sempre usar mentiras com belas palavras. Mas, neste caso específico um dos selecionadores não foi educado em sua participação. Não foi só mentiras com belas palavras, também foi mentira com ignorância. Era dois um gerente e outro gerente do gerente. O gerente até conseguiu fazer bem o seu papel. Mas seu chefe não teve a mesma atitude.
Desta vez, eu decidi escrever também o que presenciei em relação aos outros candidatos. Pois, o gerente tratou todos da mesma forma, e isto é muito interessante. Já seu chefe, só tratou bem que ele gostou. E é lógico que gostou do rótulo, ou seja, do que via. Ou, talvez não queria um vendedor que fizesse concorrência com sua loja. Para estas pessoas as perguntas eram mais agradáveis.
Um candidato ao emprego que ele não gostou, fazia pergunta sem sentido. Uma delas é, com esta experiência porque você não vai procurar emprego nesta área. Uma pergunta muito estúpida porque quem disse que ele não foi. E quem é ele para decidir onde uma pessoa vai trabalhar. Se ele não foi procurar emprego em determinada área é porque não gosta ou já tentou. Só porque a pessoa sabe matemática não significa que tem que ser engenheiro, ou que tem que trabalhar de caixa em uma empresa. Ele cria esteriótipos na sua cabeça é quer que a pessoa siga isto.
Um outro candidato também foi muito mal tratado por este chefe de chefe, não sei como esta empresa deixou este elemento se tornar feche, pois líder ele não é. Durante as resposta, ele estava se segurando para dar risada do candidato. Ele teve que até parar as perguntas e agradecer o candidato. Muito desrespeito! Já a pessoa que ele gostava fez mais perguntas apropriadas para uma possível contratação. Ele estava manipulando a seleção. O interessante que ele levemente direcionava seus joelhos para este candidato. E isto não acontecia com outros candidatos. Também levemente ele inclinava seu tronco em direção a este candidato. Algo que também não acontecia  com os outros.A linguagem não verbal é muito importante para se conhecer uma situação, é lógico que temos que usar outros recursos.
Na minha vez o gerente da loja foi igual com todo mundo. Mas, o chefe do feche. Não sorria, muito pelo contrário, tinha uma sutil rusga na testa. A velocidade da pergunta era maior, pois queria terminar logo com isto. Seu tronco estava ligeiramente inclinado para o lado oposto. Só faltou ele perguntar porque tal empresa não me contratou. E ele sutilmente mandou eu para a concorrência. Algo muito mal educado. Muito estúpido! Mas, sempre com boas palavras. E totalmente antiético. Depois de terminar a entrevista, ele forçou um sorriso. Quem já assistiu a família Adams saberá como foi este sorriso. Em uma das cenas do filme foi pedido a  Wandinha Adams que sorrisse. E ela forçou o sorriso, ela tentou caprichar, mas uma outra menina disse que ficou com medo de seu sorriso. Foi exatamente o sorriso que ele deu. Pena que não tinha como filmar e fotografar, um close do sorriso seria muito interessante para mostrar como é falso a sua atitude.
Depois foram feitos dois grupos com os candidatos e foi pedido para os grupos inventasse um produto para apresentar para eles. O gerente teve a postura que demonstrou anteriormente. Mas, seu chefe continuou a ser muito ignorante. Acho que ele confunde ser ignorante com inteligência. Fazer perguntas inteligentes para saber a viabilidade do produto inventado é uma coisa, mas tentar desqualificá-lo é outra, e pior, tentar desqualificar porque não gosta do candidato é muito preconceito. Na minha vez, eu e outro candidatos inventamos o produto e pensamos nas possíveis perguntas que eles poderiam ter. E foi muito legal porque, mesmo com suas perguntas mal educadas e tentando nos desqualificar conseguimos responder a pergunta. E durante as perguntas e ao explicar sobre o produto eu fiz uma pergunta para ele. E ele não soube responder. Disse que não sabia. Ele se reserva o direito de não estudar, de não ler, de não se atualizar, mas exige isto de todos. Que nome merece esta atitude dele?
Mas, ele gostou do produto, mas fingiu que não gostou. Como podemos chamar esta atitude dele? A impressão que ficou é que ele veio participar do processo seletivo para transformá-lo em um processo de exclusão. Já passei por outro deste tipo. Mas, este foi o pior. Realmente não vejo como esta pessoa conseguiu ser chefe do chefe. Acho que ele teve que puxar o tapete de muita gente. E infelizmente muito tem que esta atitude é uma qualidade empreendedora. Só que você também encontra este tipo de atitude em um presídio.

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Exemplo de Instituição Que Não Considera as Pessoas Especiais

Os estudos sobre, você é especial: somos únicos e importantes continua. Eu queria escrever mais sobre este assunto e mostrar um exemplo. Mas, teria de ser um exemplo prático. Algo de fácil conhecimento. Então alguns dias atrás tive a oportunidade de ver um vídeo da jornalista Joice Hasselmann. Ela conta um pouco de sua história de vida que vem ao encontro do que se está sendo exposto. Neste exemplo é o ser não especial.
Ela fez faculdade de jornalismo e durante o curso ela conseguiu um emprego nesta área. Então combinou com os professores que teria que sair quinze minutos mais cedo para poder trabalhar. E foi feito assim, mas o sindicato não gostou disso porque ela não era sindicalizada. E a faculdade acabou concordando com o sindicato. Então começou a perseguição. E ela acabou não passando nesta matéria. E como existe muitas universidades que adoram fabricar uma dependência para o aluno. E para piorar a situação da jornalista nesta disciplina foi colocada sempre por último na grade escolar. Então ela iria ficar com esta dependência eternamente. Tudo alinhado entre universidade e sindicato.
A estudante de jornalismo foi conversar com os professores mas não foi ouvida. E procurou todas as instâncias da universidade para fazer um acordo, mas não teve sucesso.
Então não teve jeito, a loira teve que entrar entrar na justiça contra esta atitude da universidade. Sabiamente o juiz mandou ela fazer esta disciplina que foi reprovada no horário que ela quisesse e com o professor que ela escolhesse. Então ela escolheu um horário, que foi a tarde. E escolheu o professor que reprovou ela. E este mesmo professor disse que se arrependeu de ter feito isto com ela. E já sabemos que foi uma atitude injusta do professor. Ele deveria cumprir o combinado.
Só que o sindicato não parou por aí. Depois de formada o sindicato continuou a perseguição e alegou que ela para ter sucesso tinha plagiado matérias jornalistica. Então novamente a loira teve que entrar na justiça para fazer o sindicato provar esta denúncia, e convenhamos é muito séria.
Ela ganhou esta batalha também.Pois, não foi conseguido provar esta denúncia.
Vemos que estas duas instituições, a saber: a universidade e o sindicato tem muita dificuldade de considerar o ser humano como especiais: únicos e importante. Um curso superior deve-se se sentir honrado em ter um estudante que consiga um trabalha na área que estuda. Esta é uma vitória em um país que o desemprego é uma constante. Isto é motivo para se comemorar e não para se perseguir um estudante. Vemos que o que é praticado é totalmente desumano. E depois de algum tempo ela deveria aparecer no jornal da faculdade, no jornal do centro acadêmico para estimular outros estudantes. Isto se ela quiser aparecer, pois ela pode escolher não aparecer, e tem que ser respeitada. Mas, perseguir ela, por ter conseguido um emprego é um absurdo. E realmente não considerar a pessoa especial, única e importante.
Este sindicato tem que aprender que em uma democracia a pessoa é livre para escolher sua posição política. A Joice tem o direito de escolher se é de direita ou de esquerda ou não. Além da livre escolha, ela tem que ser respeitada nesta decisão e tem mais, ela não deve ser obrigada a se sindicalizar. Este sindicato é contraditório, pois o sindicato existe para defender o emprego das pessoas e não para perseguir. É muito mais inteligente usar esta energia para defender o emprego e não perseguir as pessoas.
De vez de perseguir a jornalista. Eles deveria se aproximar dela e ajudar em sua nova profissão. Também deveria entrevistá-la e publicar em seu jornal, também se ela quisesse, pois ela pode não querer. E quem sabe ela se sindicalizasse. Pode ser que sim e pode ser que não, mas com certeza o sindicato teria uma pessoa aliada, podia ser aliada de longe, mas seria. E também ela teria uma referência positiva deste sindicato, mesmo tendo uma ideologia diferente.
Observamos que este sindicato tem dificuldade de reconhecer o ser humano como tal, ou seja especial, único e importante.
A JJ é uma jornalista de sucesso, mas não graças a universidade e o sindicato, eles perderam a oportunidade de participar deste sucesso. E participar do sucesso de outro é uma forma de sucesso também. Faltou uma visão mais ampla destas instituições. Já que não tem esta visão ampla. Poderia usar a fé, o respeito ou mesmo o profissionalismo. Mas, se nem isto se consegue fazer por considerar muito difícil. Podem usar a minha tese: você é especial: único e importante.