quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Acreditando em suas Mentiras

Descobri mais um sinal que você pode considerar ao participar de um processo seletivo de uma empresa. Quando o selecionador falar:
- Você já está 80% aprovado.
Pode ter certeza que você foi reprovado.
E pode acreditar. Não irão entrar em contato com você para te dar um posicionamento. Simplesmente fazem de conta que você não existe. Que você não é um ser humano.
É mais um exemplo de que o RH gosta de mentir com boas palavras. É o lema deles. Eu pensei durante um tempo que era uma coisa isolada ou pelo menos que não era uma unanimidade. Mas, é um pensamento importante ou prioritário. Sem este pensamento eles não conseguem trabalhar. Ou seja, o carro forte do pessoal do RH é o mentir com boas palavras. Já passei por processos seletivos com jovens, com pessoas com mais idade. Com homem, com mulher. Também já observei a atuação individual, duplas, trio e com mais pessoas. Com pessoas que acabou de se formar e com pessoas com vários anos de atuação. E em todos os casos o mentir com boas palavras é o que mais acontece. Um postura no mínimo antiética.
E o interessante é que muitos são orgulhos em dizer que tem mais de, por exemplo, 15 anos de atuação no mercado. Pensando sobre isto, são 15 anos usando mentiras com boas palavras. Depois de tanto tempo, acredito que estas pessoas já estão acreditando nestas mentiras. Fico pensando que se esta opção em mentir com boas palavras é realmente necessária.
Neste processo foi interessante porque participou uma pessoa que além de ter muita experiência. Estava lá para aferir o processo seletivo da empresa. Ela chegou a dizer que tem vontade de fazer perguntas e que estava se segurando. Com esta fala está claro que ela se considerava muito boa.
Neste processo ficou claro que o julgar pela aparência é um dos focos deles. E que as pergunta era feitas para excluir a pessoa e não para descobrir se a pessoa é realmente capacitada ou não. Tudo é planejado para que a pessoa não seja contratada.
Uma candidata já veio para o processo entrevistada pelo gerente da loja. Eu entreguei o currículo em várias lojas do ramo e nenhum deles me entrevistou para a vaga. Simplesmente pegaram o meu currículo e disseram que entrariam em contato. Já ela foi entrevista e já foi para o processo incluída. Só faltava o RH também fazer o mesmo. Por quê será?
Um outro candidato apelou dizendo que recentemente nasceu seu filho. E ele aproveitou isto muito bem. Deu a impressão que as entrevistadora estava mais interessada se eu tinha filho ou não. Uma boa parte do processo o rapaz ficou falando do parto da mãe da criança, que era difícil, que ele tentou ajudar, etc. E as duas entrevistadora ficaram encantada com a ladainha do rapaz. Daí eu descobri que ele nem casado era com ela.
Depois fizemos a famosa dinâmica de vender algo que não existe. Se não existe, também não existe venda. E se não existe venda não tem como verificar rapidez em venda ou criatividade. E o pior é que os objetos inventados como uma coisa quebrada ou estragada, são muito mal formulados. Como é algo subjetivo. A avaliação também é subjetiva. Então na verdade, fica com o emprego que eles querem. Também ficou claro que depois desse processo, eles também usam a quinta coluna. Ou seja, alguém que está participando do processo seletivo vai conversar com você para tirar alguma informação para te eliminar da vaga de emprego. É lógico que são informações deturpadas. Provavelmente dirão que você não está demonstrando interesse na vaga. Como não?
Você vai até a loja. Entrega o currículo, participa de todo o processo seletivo. Se esforça muito e daí dizem que você não está interessado. Talvez ele querem que você doem um rim. Ou coisa parecida. Este fato são pessoas que acreditam em suas próprias mentiras. Desde que sejam ditas com boas palavras!

sábado, 4 de novembro de 2017

Desafio ao Galo

Na década de 1980, era muito comum muitos homens assistir futebol no domingo de manhã. Mas, não era qualquer jogo, e nem qualquer desafio. Era uma competição chamada desafio ao galo. Eram vários times amadores de futebol. E o legal é que além do jogo em si. Também tinham direito ao jogo ser televisionado e com direito a narração.
Os jogos eram feitos no campo da CMTC (Companhia Municipal de Transporte Coletivo). Uma excelente empresa pertencente ao município de São Paulo e de seu povo. Uma grande pena que esta empresa foi privatizada. A primeira vez que o PT administrou São Paulo fez muitas comprar, as reportagens da época afirmam que a prefeitura comprou porcas para mais de 10 anos para esta empresa. Também na época as pessoas que não eram filiadas a este partido também eram mandadas embora da prefeitura e colocavam várias pessoas em seus lugares, dizem que chegavam a 10 pessoas. Um verdadeiro cabide de emprego. E o próximo prefeito resolveu privatizar esta empresa. De vez de investigar e punir os culpados, preferiu fechar a empresa.
No desafio ao Galo, os jogos eram muito disputados. E o chic é que até transmissão de tv eram feitas. Uma vez, um jogador foi muito elogiado pelos narradores de futebol. Falaram que ele era muito habilidoso e seu nível era de profissional. Até um deles perguntou se algum tipo poderia contratá-lo, mas segundo informações ele já estava com uma idade que impedia de que um time o contratasse. Eu acho que não, mas era esta informação que foi passada para as pessoas que estavam assistindo o jogo.
Os jogos eram transmitidos pela TV Cultura. E não poderia ser diferente, pois uma empresa estatal é que tem a oportunidade e liberdade para ser muito mais criativo do que uma que não tem as mesmas oportunidades. É muito importante existirem emissoras de TV do governo, hoje em dia a TV cultura transmite um program de uma excelência. O programa prelúdio, um programa de alta qualidade que duvido muito que outra emissora de TV iria fazer este programa no mesmo horário. É lógico que a TV Cultura tem outros programas de qualidade impar, mas particularmente este acredito que é um grande desafio para os dias de hoje. Como também na década de 1980 o programa desafio ao galo também era um desafio.
Quando foi anunciado que o programa iria ser cancelado, muitos de seus admiradores ficaram surpreso e triste. E na época pediam para que as pessoas fosse assistir aos jogos e também pediram para que outras pessoas assistissem pela tv, mas infelizmente o program deixou de ser transmitido. Nesta época de transmissão a inflação era muito alta, dificultando ainda mais o planejamento do programa.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Pergunta Mal Educada e Sorriso Falso

Procurar emprego está sendo uma experiência reveladora. Também é um exemplo de como as instituições não consideram o ser humano especial: único e importante. Mas, tudo isto procurando sempre usar mentiras com belas palavras. Mas, neste caso específico um dos selecionadores não foi educado em sua participação. Não foi só mentiras com belas palavras, também foi mentira com ignorância. Era dois um gerente e outro gerente do gerente. O gerente até conseguiu fazer bem o seu papel. Mas seu chefe não teve a mesma atitude.
Desta vez, eu decidi escrever também o que presenciei em relação aos outros candidatos. Pois, o gerente tratou todos da mesma forma, e isto é muito interessante. Já seu chefe, só tratou bem que ele gostou. E é lógico que gostou do rótulo, ou seja, do que via. Ou, talvez não queria um vendedor que fizesse concorrência com sua loja. Para estas pessoas as perguntas eram mais agradáveis.
Um candidato ao emprego que ele não gostou, fazia pergunta sem sentido. Uma delas é, com esta experiência porque você não vai procurar emprego nesta área. Uma pergunta muito estúpida porque quem disse que ele não foi. E quem é ele para decidir onde uma pessoa vai trabalhar. Se ele não foi procurar emprego em determinada área é porque não gosta ou já tentou. Só porque a pessoa sabe matemática não significa que tem que ser engenheiro, ou que tem que trabalhar de caixa em uma empresa. Ele cria esteriótipos na sua cabeça é quer que a pessoa siga isto.
Um outro candidato também foi muito mal tratado por este chefe de chefe, não sei como esta empresa deixou este elemento se tornar feche, pois líder ele não é. Durante as resposta, ele estava se segurando para dar risada do candidato. Ele teve que até parar as perguntas e agradecer o candidato. Muito desrespeito! Já a pessoa que ele gostava fez mais perguntas apropriadas para uma possível contratação. Ele estava manipulando a seleção. O interessante que ele levemente direcionava seus joelhos para este candidato. E isto não acontecia com outros candidatos. Também levemente ele inclinava seu tronco em direção a este candidato. Algo que também não acontecia  com os outros.A linguagem não verbal é muito importante para se conhecer uma situação, é lógico que temos que usar outros recursos.
Na minha vez o gerente da loja foi igual com todo mundo. Mas, o chefe do feche. Não sorria, muito pelo contrário, tinha uma sutil rusga na testa. A velocidade da pergunta era maior, pois queria terminar logo com isto. Seu tronco estava ligeiramente inclinado para o lado oposto. Só faltou ele perguntar porque tal empresa não me contratou. E ele sutilmente mandou eu para a concorrência. Algo muito mal educado. Muito estúpido! Mas, sempre com boas palavras. E totalmente antiético. Depois de terminar a entrevista, ele forçou um sorriso. Quem já assistiu a família Adams saberá como foi este sorriso. Em uma das cenas do filme foi pedido a  Wandinha Adams que sorrisse. E ela forçou o sorriso, ela tentou caprichar, mas uma outra menina disse que ficou com medo de seu sorriso. Foi exatamente o sorriso que ele deu. Pena que não tinha como filmar e fotografar, um close do sorriso seria muito interessante para mostrar como é falso a sua atitude.
Depois foram feitos dois grupos com os candidatos e foi pedido para os grupos inventasse um produto para apresentar para eles. O gerente teve a postura que demonstrou anteriormente. Mas, seu chefe continuou a ser muito ignorante. Acho que ele confunde ser ignorante com inteligência. Fazer perguntas inteligentes para saber a viabilidade do produto inventado é uma coisa, mas tentar desqualificá-lo é outra, e pior, tentar desqualificar porque não gosta do candidato é muito preconceito. Na minha vez, eu e outro candidatos inventamos o produto e pensamos nas possíveis perguntas que eles poderiam ter. E foi muito legal porque, mesmo com suas perguntas mal educadas e tentando nos desqualificar conseguimos responder a pergunta. E durante as perguntas e ao explicar sobre o produto eu fiz uma pergunta para ele. E ele não soube responder. Disse que não sabia. Ele se reserva o direito de não estudar, de não ler, de não se atualizar, mas exige isto de todos. Que nome merece esta atitude dele?
Mas, ele gostou do produto, mas fingiu que não gostou. Como podemos chamar esta atitude dele? A impressão que ficou é que ele veio participar do processo seletivo para transformá-lo em um processo de exclusão. Já passei por outro deste tipo. Mas, este foi o pior. Realmente não vejo como esta pessoa conseguiu ser chefe do chefe. Acho que ele teve que puxar o tapete de muita gente. E infelizmente muito tem que esta atitude é uma qualidade empreendedora. Só que você também encontra este tipo de atitude em um presídio.

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Exemplo de Instituição Que Não Considera as Pessoas Especiais

Os estudos sobre, você é especial: somos únicos e importantes continua. Eu queria escrever mais sobre este assunto e mostrar um exemplo. Mas, teria de ser um exemplo prático. Algo de fácil conhecimento. Então alguns dias atrás tive a oportunidade de ver um vídeo da jornalista Joice Hasselmann. Ela conta um pouco de sua história de vida que vem ao encontro do que se está sendo exposto. Neste exemplo é o ser não especial.
Ela fez faculdade de jornalismo e durante o curso ela conseguiu um emprego nesta área. Então combinou com os professores que teria que sair quinze minutos mais cedo para poder trabalhar. E foi feito assim, mas o sindicato não gostou disso porque ela não era sindicalizada. E a faculdade acabou concordando com o sindicato. Então começou a perseguição. E ela acabou não passando nesta matéria. E como existe muitas universidades que adoram fabricar uma dependência para o aluno. E para piorar a situação da jornalista nesta disciplina foi colocada sempre por último na grade escolar. Então ela iria ficar com esta dependência eternamente. Tudo alinhado entre universidade e sindicato.
A estudante de jornalismo foi conversar com os professores mas não foi ouvida. E procurou todas as instâncias da universidade para fazer um acordo, mas não teve sucesso.
Então não teve jeito, a loira teve que entrar entrar na justiça contra esta atitude da universidade. Sabiamente o juiz mandou ela fazer esta disciplina que foi reprovada no horário que ela quisesse e com o professor que ela escolhesse. Então ela escolheu um horário, que foi a tarde. E escolheu o professor que reprovou ela. E este mesmo professor disse que se arrependeu de ter feito isto com ela. E já sabemos que foi uma atitude injusta do professor. Ele deveria cumprir o combinado.
Só que o sindicato não parou por aí. Depois de formada o sindicato continuou a perseguição e alegou que ela para ter sucesso tinha plagiado matérias jornalistica. Então novamente a loira teve que entrar na justiça para fazer o sindicato provar esta denúncia, e convenhamos é muito séria.
Ela ganhou esta batalha também.Pois, não foi conseguido provar esta denúncia.
Vemos que estas duas instituições, a saber: a universidade e o sindicato tem muita dificuldade de considerar o ser humano como especiais: únicos e importante. Um curso superior deve-se se sentir honrado em ter um estudante que consiga um trabalha na área que estuda. Esta é uma vitória em um país que o desemprego é uma constante. Isto é motivo para se comemorar e não para se perseguir um estudante. Vemos que o que é praticado é totalmente desumano. E depois de algum tempo ela deveria aparecer no jornal da faculdade, no jornal do centro acadêmico para estimular outros estudantes. Isto se ela quiser aparecer, pois ela pode escolher não aparecer, e tem que ser respeitada. Mas, perseguir ela, por ter conseguido um emprego é um absurdo. E realmente não considerar a pessoa especial, única e importante.
Este sindicato tem que aprender que em uma democracia a pessoa é livre para escolher sua posição política. A Joice tem o direito de escolher se é de direita ou de esquerda ou não. Além da livre escolha, ela tem que ser respeitada nesta decisão e tem mais, ela não deve ser obrigada a se sindicalizar. Este sindicato é contraditório, pois o sindicato existe para defender o emprego das pessoas e não para perseguir. É muito mais inteligente usar esta energia para defender o emprego e não perseguir as pessoas.
De vez de perseguir a jornalista. Eles deveria se aproximar dela e ajudar em sua nova profissão. Também deveria entrevistá-la e publicar em seu jornal, também se ela quisesse, pois ela pode não querer. E quem sabe ela se sindicalizasse. Pode ser que sim e pode ser que não, mas com certeza o sindicato teria uma pessoa aliada, podia ser aliada de longe, mas seria. E também ela teria uma referência positiva deste sindicato, mesmo tendo uma ideologia diferente.
Observamos que este sindicato tem dificuldade de reconhecer o ser humano como tal, ou seja especial, único e importante.
A JJ é uma jornalista de sucesso, mas não graças a universidade e o sindicato, eles perderam a oportunidade de participar deste sucesso. E participar do sucesso de outro é uma forma de sucesso também. Faltou uma visão mais ampla destas instituições. Já que não tem esta visão ampla. Poderia usar a fé, o respeito ou mesmo o profissionalismo. Mas, se nem isto se consegue fazer por considerar muito difícil. Podem usar a minha tese: você é especial: único e importante.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Vai Utilizar o Seu Tempo em outro Lugar

Será que haverá um fim? Esta é uma pergunta interessante, pois a criatividade para se excluir um candidato para um emprego é comparado a criatividade que uma pessoa utiliza para roubar. Se estes dois usassem sua criatividade para o bem teríamos outra realidade no país. Mas, infelizmente a gana de engar e excluir é maior do que fazer o bem.
Se ao final de uma entrevista, o entrevistador agradecer pelo seu tempo. Você deve sair de lá e distribuir novamente o seu currículo, pois você foi rejeitado. É o famoso mentir com boas palavras cuja máxima é usada como se fosse mandamento religioso. É um grande dogma.
Este entrevistador tem uma posição na empresa de destaque, está acima de gerente. Fiquei feliz, pois acreditava que seu nível era igual ao seu cargo, mas foi só engano meu. Gostaria de ter experiências positivas, mas não é o que eu estou passando no momento.
Ele ficou quase catatônico, queria dificultar qualquer leitura minha de sua linguagem não verbal, mas é quase impossível que isto aconteça muito sutilmente demonstrou que eu estava tento um julgamento justo e depois forca.
Eles acham que fazem perguntas inteligentes, mas perguntas inteligentes tem que ter muito conhecimento como base ou pre-supostos. Pois, se o candidato fizer uma afirmação do mesmo nível da pergunta o entrevistador não irá entender. Então como o conhecimento é muito para ele a tendência é negá-lo. E estas técnicas são técnicas de manipulação na verdade, pois eles, além de ter um desejo que o candidato se saia mal. Irão entender o que querem e não o que realmente foi dito. E este entrevistador está neste nível.
O ser humano é complexo. Usar uma técnica de forma automática é praticar a injustiça. Uma delas, que foi utilizada por este entrevistador é observar para onde o candidato olha. Se olhar para um lado, ele está falando a verdade. Se olhar para o outro, está mentindo. As coisas na vida não são simples assim. Tem pessoas que quando está sorrindo está nervoso e não está feliz. Tem pessoas que demonstram uma certa felicidade que na verdade está escondendo tristeza. A muito tempo atrás no canal Bandeirantes, em um programa de palco foi apresentada uma mulher que fica o tempo todo dando risada, ela dava muitas gargalhadas. E uma psicóloga que estava no telefone falando com o programa de tv, afirmou que não é normal uma pessoa ser assim. E depois de algumas perguntas, a psicóloga identificou que na verdade ela tinha muitas tristezas e as gargalhadas eram uma forma de escape. Se ele fosse entrevistada por ele seria contratada porque é uma pessoa feliz e na verdade não é. Não existe nada mecânico em relação ao ser humano.
Da mesma forma da risada ao contrário, ou seja uma anti-risada. O olhar também pode ser o contrário. O que se tem como a pessoa dizendo a verdade poder ser mentira. Mas, as coisas não para por aí. Também é comum muitos defenderem que cruzar os braços é sinal de rejeição e também de recusa. E o entrevistador dispensa o candidato por isto. Mas, existe pessoas que tem a mania de cruzar os braços, não estando rejeitando nada. Também tem as pessoas que cruzam os braços em sinal de abraço e não de recusa. E também tem as pessoas que cruzam os braços demonstrando ponderação, pensamento e não recusa. O ser humano é um ser complexo. Usar este recurso de cruzar os braços como forma de recusa é uma pratica injusta. Da mesma forma do ato de cruzar os braços acontece com os olhos. Pois, ao olhar para o lado de inventar uma situação que se julga como mentira. Uma pessoa olhar para este lado e inventar o que se aconteceu, o que é real, pois ele esqueceu exatamente o que ocorreu. Então ele cria uma imagem do que aconteceu e não é mentira, mas é considerado como mentira. Então o entrevistador comete uma grande injustiça. A mente humana é muito complexa. Faça um exercício tente lembra de um fato na sua vida e verá que em muitos casos você terá que usar da racionalidade para lembrar, que na verdade não é lembrar é criar. E esta ato de criação não é uma mentira.
Se o candidato gosta de ler filosofia ou gosta de ficção então esta criação não será uma mentira. Pois, o ato de inventar não significa que seja mentira. É uma verdade do que foi um fato no passado.
Vemos que o despreparo dos entrevistadores é enorme. E neste caso específico é muito despreparo porque ele só usou uma ferramenta para avaliar um candidato.
E além disso, ficou muito claro que ele só estava interessado em especular a vida do candidato, fingindo que era perguntas relacionados ao emprego. E também especular uma função do trabalho do candidato que não conhecia. Foi uma forma de conhecer alguns detalhes da concorrência. E depois de fazer tudo isto, tem a cara de pau de perguntar se eu queria falar alguma coisa. Este pergunta não é feita para se dar a oportunidade para o candidato falar algo que realmente é importante. Na verdade, é para encerrar a entrevista, ou seja, ele não está nem aí para o que o candidato está falando. Fingir que escuta é uma ferramenta que eles usam muito bem, também finge que anotam coisas importantes no currículo, mas tudo isto é mentira em forma de ação. Usar um candidato para tal fato é muito antiético. É um grande desrespeito ao ser humano. É uma atitude totalmente desumana. Mas, para ele está tudo bem, porque ele mentiu com boas palavras.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Quem Emprego É Esse?

Processo Seletivo, para entender é necessário perguntam, seleção para quê? Geralmente estes processo são para excluir e não para incluir. Não se escolhe um pessoas, Se exclui. E tentam camuflar todo este processo. É o que eles chama de mentir com boas palavras. 
Neste processo houve algumas diferenças dos outros. Em um outro processo seletivo a empresa prometia fortunas, mas não tinha papel toalha no banheiro. Este não tinha o cesto para jogar o papel. Também no outro a pessoa que fazia a seleção não deixava você terminar um raciocínio, algo totalmente rude. Percebe-se que o líder será muito autoritário. E tem dificuldade de escutar. E neste processo também acontecia o mesmo. Outra coisa que aconteceu em outros processo seletivos e neste não foi diferente é especular sobre a vida pessoal e familiar. Hoje em dia o profissional não é mais considerado como de muita importância. Fofocar sobre a vida do funcionário é muito mais importante. Atitude totalmente deselegante! 
O selecionador procurava não fazer muito movimentos para que sua linguagem corporal não fosse avaliada, mas ele gostava muito de analisar a linguagem dos candidatos. Mesmo assim não escapou de demonstrar que queria manipular. Outra coisa que ficou muito clara que ele estava dando mais atenção para o celular e as mensagens do que dar atenção ao candidato. Só aqui já é motivo suficiente para que o candidato decidisse, buscar uma oportunidade em outro lugar é o melhor a se fazer. E para piorar o selecionador precisou manipular para colocar a família como o foco da vida do candidato. Por mais que você falasse que você ajuda a família, ele desconsiderava, ou seja, ele quer acreditar no que quer acreditar. E não no que você está afirmando. Neste processo observamos que foi introduzido algo a mais na máxima do pessoal de RH, pois a máxima de mentir com boas palavras é uma parte. A outra é acreditar em suas próprias mentiras. 
É bom ressaltar que todos os processos que participei eu queria muito fazer parte do quadro de funcionários das empresas em questão. Mas, como foi exposto, o objetivo era excluir mesmo. É o termo um julgamento justo depois forca. 
Neste contexto de exclusão empregacional é muito evidente, pois se você não se prepara para a entrevista, por exemplo. Eles não querem te contratar porque você não se preparou. Então você se prepara então você não é selecionado porque você se preparou. E muitos deles não gostam.  
Mas, neste último processo seletivo foi diferente porque, além de oferecer ótimos ganhos. Eles não pagam nenhum benefício. Eles querem que a família pague o vale transporte, que pague o vale alimentação, pague o inss, pague as férias, o décimo terceiro e tudo mais que uma pessoa tem direito. E para completar querem que a família também forneça os clientes. Então eles ficam responsáveis de fornecer os panfletos e pagar a sua comissão que foram cliente que sua família ou amigos arranjaram para você. Muito bom né? Já ia me esquecendo, eles também são responsáveis de fornecer os treinamentos necessários para você pedir para sua família e seus amigos os clientes. 
É muito triste que pessoas se preparam para ser este tipo de empresário. Um empresário que na verdade não é. O Brasil não precisa de empresários assim e o pior que muitos fazem grandes elogios de pessoas com este perfil. Acredito que empresário tem que ser empresário de verdade. Tem que assumir o papel de empreendedor. Mas, não é fácil ser um empreendedor de verdade. Requer muito esforço, dedicação, respeito, ética. E princípios que são o grande direcionador das ações do dia-a-dia. Se este tipo de empreendedor fosse o comum não teria escrito nenhum deste texto. O foco seria outro. E eu gostaria muito de ter este tipo de experiência para escrever.
 

sábado, 23 de setembro de 2017

Processo Seletivo Desumanizado

Você já deve ter escutado a sentença, “mentir com boas palavras”. Ao escutar você deve estar pensando que foi um grupo de político corrupto que a proferiu. Mas, vou desapontá-lo, esta frase é dita pelo pessoal de relações humanas. Uma empresa que tem relações humanas que tem esta frase como configurador de ações nós força a dizer que esta empresa é no mínimo antiética. Usar este pensamento direcionador de ações é um grande desrespeito. Na verdade por coerência deveria trocar o nome para relações desumanas. E cada processo seletivo que participo, sou surpreendido por eles, pois a criatividade para mentir e tentar camuflar é incrível, mas esconder a consequência deste ato não é viável. É só olhar para a sociedade a sua volta e ver que não estamos beme a falta de ética é o que predomina.
Neste processo que participei da sua empresa foi exigido que fornecêssemos o rg, cpf e o pis. O pis? Está claro que todas estas informações são para especular a vida da pessoa, uma forma de fofoca, e também para passar estas informações para outra instituição. O direito ao sigilo é constitucional. Também todo o processo foi feito próximo da hora do almoço, pois a fome é uma forma de mudar o comportamento das pessoas e para complementar o ar condicionado estava liga e estava forte. Também com o objetivo de mudar o comportamento das pessoas e também direcionar a reclamação para camuflar outras. Pensam em tudo para mentir com boas palavras, mas não pensam em ser éticos e respeitar o ser humano.
A redação foi um tema que era direcionado para a filosofia, será que não foi pedido por alguma instituição de ensino. Falo isto sem medo de errar porque eu na conversa com os entrevistadores o nível filosófico não fazia parte de seus repertórios. Foi um tema fora da curva do que foi apresentado.
Foi-me perguntado um ponto que tenho que desenvolver. Eu respondi que sou ansioso, e é verdade, eu sou mesmo ansioso. Mas, a gerente de uma das lojas disse que não aceita mais esta resposta. Como assim, não aceita mais esta resposta? Quem é ela para não aceitar uma resposta de um candidato. Ela queria uma resposta que fosse mais adequada a exclusão, é isto que temos que pensar depois de tudo o que foi visto até o momento.
Depois foi me perguntado se sei usar bem o computador porque eu como foi promotor de vendas não uso muito computador no trabalho e que o sistema de vocês tem trezes páginas. OH! Treze páginas que difícil! Um livro que leio tem muito mais páginas do que isto. Já demonstra o nível da gerente da loja. E o pior também demonstra o preconceito dela. E também nas entrelinhas ela está dizendo que o treinamento da empresa é ruim e que você tem que aprender sozinho. E ainda podemos aprofundar com esta declaração dela. Pois, uma pergunta como esta significa que esta empresa tem dificuldade de acreditar em superação. Se uma empresa não acredita que uma pessoa pode se superar, fica difícil ser líder de mercado. E digo isto no caso dela porque a superação seria um enfrentamento a seu preconceito. Talvez esta empresa se preocupe mais com a capa do que o conteúdo. E o conteúdo é que faz a diferença e não a capa. Se você perder a capa terá ainda do conteúdo, mas para que serve uma capa sem conteúdo!

Até tentar manipular a resposta foi feito, além do que já foi exposto. É aquela velha forma de fazer uma mesma pergunta para todos e esperar que o último responsa o que querem. E isto foi deixado bem claro que era a segunda parte do processo. O que deu a impressão que foi uma pergunta encomendada. E como eu fui escolhido para responder por último significa que fui escolhido para ser manipulado, para ser excluído. E para que tanta manipulação, será que isto não irá chegar no cliente? 
Outra coisa que me chamou muito a atenção foi que só tinha três candidatos. Pois, o outro horário existia mais que o dobro. E voltado a questão da temperatura fora da sala não estava tão frio, e eles disseram que o ar era para todo o prédio. Muito estranho!
Ter três candidatos é o mesmo que uma empresa que tem três sócios, pois com esta quantidade o que sempre acontece é que um ficará sozinho nas decisões. E estava claro que quem ficasse sozinho iria ser excluído do processo. E se um da dupla apoiasse o outro também seria excluído do processo. E se o candidato decide quem fica ou quem sai então está na hora de contratar esta pessoa para fazer parte da empresa. Pagar o salário deles para este candidato, porque está fazendo o trabalho deles.  Jogar a responsabilidade para o candidato é covardia, pois se o pessoal das relações humanas tem que assumir a responsabilidade de suas ações. Eles têm que entender que os candidatos são seres humanos, algo que não percebi que fosse considerado um. 
Como eu tenho muita experiência em processo seletivo e que todos estes indícios é prova cabal que a empresa tem muitas dificuldades. Então resolvi pesquisar, e descobri que este empresa está em quinto lugar com 1,06% sendo o que está em primeiro está com 30,79%. E a vendas de aparelhos, a diferença também é gritante, ficando também na quinta posição. E também em questão de reclamação esta empresa está em primeiro lugar segundo o site reclame aqui. Então vocês vendem menos do que os outros e tem mais reclamação. Acredito que está na hora de repensar este processo seletivo, minha sugestão não poderia ser diferente, sejam éticos e abandone o mentir com boas palavras.
Tudo o que começa errado vai dar errado, é um ditado que o povo fala. E podemos ver que o povo está certo. Eu tenho certeza que faço muito melhor do que eles, pois não tenho preconceito. Não tenho a formação em relações humanas, mas pelo jeito eles também não. Se você ao ler estas linhas ficou incomodado e pensou que eu estou te provocando e motivando, acertou em cheio. Um convite a excelência é sempre bom. Apesar o que eu vivenciei com o pessoal desta empresa estou sendo otimista.